por Momento Espírita
5 Média 18
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




Aquela parecia ser mais uma simples tarefa de escola de uma menina de oito anos.

A apostila mostrava contas a serem feitas, probleminhas a serem resolvidos e diversas perguntas sobre assuntos distintos.

Porém, na última folha havia um verdadeiro tesouro, que emocionou professores, psicopedagogos e pais.

Eis o enunciado: Faça um desenho que represente um fato marcante de sua vida.

E lá estava o desenho colorido de uma mulher com um bebê nos braços e, ao seu lado, a figura de um homem, ambos sorrindo.

Acima da cena, escrito com uma letra caprichada - dessas que se demora muito para terminar de escrever - estava:

Quando eu ganhei os meus pais.

Como conter as lágrimas perante tão singela declaração de amor? Quando eu ganhei os meus pais.

Ela se lembrava, com carinho, que havia chegado àquele lar de amor, há pouco mais de oito anos, através da via bendita da adoção.

Era um dos primeiros momentos em que o coraçãozinho aprendiz agradecia a Deus pela oportunidade de ter uma família amorosa na Terra.

Outras crianças lembraram de viagens, de presentes de Natal, de passeios inesquecíveis. Mas ela lembrou de agradecer pelos pais.

* * *

Pensando agora em todos nós, será que lembramos de guardar na alma toda essa gratidão por aqueles que nos receberam com tanto afeto, com tanta coragem?

Você se lembra quando você ganhou seus pais? Pois, sim, são grandes presentes que recebemos ao renascer.

Muitas vezes o coração infantil nos vem relembrar coisas que o velho coração parece ter esquecido.

Todos ganhamos nossos pais. E mais, não foram pais quaisquer, escolhidos pela força da aleatoriedade. Foram os pais que precisávamos, no momento que precisávamos.

Talvez ainda não entendamos isso muito bem, mas com o passar dos anos, após muitas análises, muitas lembranças, vamos percebendo, amadurecidos, que tudo faz sentido.

Às vezes acabamos caindo em si quando é muito tarde, e então somos corroídos pelo remorso devastador.

Por que esperar para agradecer? Por que aguardar aquela ocasião especial para reconhecer e manifestar a gratidão?

Por que ainda nos constrange tanto dizer: Você é importante para mim, ou Amo muito você?! Por que ter vergonha de amar, de agradecer?

Gratidão que não está apenas no ato de se agradecer. O famoso muito obrigado é apenas a ponta do iceberg da gratidão.

Gratidão se manifesta todos os dias, desde que se desperta e se agradece a Deus por esses amores; passando pela convivência respeitosa, amiga, compreensiva; chegando até aos gestos maiores de desprendimento em prol desses a quem devemos a vida.

Agradeçamos enquanto há tempo. Agradeçamos enquanto é hoje.

Gratidão faz bem a todos. Faz bem a quem a carrega no coração. Faz bem a quem a recebe como inesperadas flores perfumadas que caem sobre as mãos e tornam a vida mais feliz.

* * *

Quando eu ganhei os meus pais, ganhei também a certeza de ser amado...

Quando eu ganhei os meus pais, fui inundado de força de vontade, de desejo de acertar e de amar também.

Quando eu ganhei os meus pais, resolvi dar mais uma chance ao amor, e depois mais uma, e depois mais outra...

Quando eu ganhei os meus pais, foi quando me senti, realmente, protegido...

Redação do Momento Espírita.

Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel






Deixe seu comentário!