por Hugo Lapa
5 Média 45
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




Havia um jovem de 22 anos que tinha diversos problemas. Ele era tímido, tinha dificuldade de relacionamentos e vivia com medo de tudo. Era filho de pais separados, que decidiram se divorciar quando o jovem tinha 4 anos de idade.

Mas havia um problema… Toda vez que a mãe lembrava o filho da importância dele tomar uma atitude e se libertar desses infortúnios, o jovem sempre colocava a culpa em seu pai. Ele dizia que, em sua infância, seu pai o havia traumatizado, pois sempre repetia que ele não prestava; que ele era incapaz, que os outros garotos eram melhores que ele, dentre outros absurdos.

A mãe concordava com o rapaz que seu pai era uma pessoa difícil, mas enfatizava sempre a necessidade do filho se libertar destes traumas e seguir em frente com sua vida. Mas o filho se recusava alegando que os traumas estavam muito arraigados dentro dele, e que a culpa era toda de seu pai. Esse discurso do jovem já se perpetuara por anos e anos, sempre colocando a responsabilidade de seus bloqueios em seu pai.

Certo dia, o filho estava dirigindo o carro e a mãe estava no banco ao lado. O jovem estava mais uma vez insistindo na ideia de que o seu pai era o culpado por todas as travas de relacionamento e medos que ele carregava na vida. De repente, alguém jogou uma pedra que caiu dentro do carro, pois o vidro do veículo estava aberto, e quase acertou sua mãe. Ambos tomaram um susto, mas nenhum prejuízo sofreram. A pedra ficou no chão próximo dos pés da mãe.

O filho, dirigindo, pediu que a mãe jogasse a pedra para fora do carro. A mãe disse que não conseguia fazer isso. O filho, surpreso, perguntou por que ela não conseguia jogar a pedra para fora do carro. A mãe disse:

– A culpa é de quem jogou a pedra, e eu fiquei traumatizada com essa situação. Agora estou imóvel e não consigo jogar a pedra para fora.

O filho não entendeu o motivo de mãe não conseguir jogar a pedra fora, pois bastava se inclinar, pegar a pedra e tira-la do carro. O filho disse que não estava entendendo e pediu para a mãe explicar. A mãe respondeu:

– Isso lhe parece absurdo, mas é exatamente o que você faz. Você joga a culpa no outro de ter jogado a pedra em seu carro. Mas não importa se alguém jogou a pedra, quem mantém a pedra ou qualquer coisa que jogarem dentro do veículo somos nós mesmos. Não podemos agora mesmo retirar a pedra atirada? Da mesma forma, uma pessoa não precisa ficar com o lixo emocional que outra jogou nela, basta retirar o peso desse lixo e seguir em frente. Não podemos evitar que outros taquem pedras em nosso carro ou em nossa vida, mas podemos nos desfazer de todas as pedras que nos jogaram.

O rapaz havia compreendido a fala da mãe. A mãe completou:

– Portanto, nunca esqueça disso: o que o outro faz com você é de responsabilidade dele. Você manter isso dentro de você é responsabilidade sua.

Autor: Hugo Lapa

Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel






Deixe seu comentário!