5 Média 6
O que você acha deste autor?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem



Poeta fluminense, nascido em Vassouras - cidade serrana do Estado do Rio de Janeiro - a 14 de abril de 1880.

Procedente de lar muito pobre, filho de Casimiro Augusto da Cunha e Maria dos Santos Cunha, teve uma única irmã, Leonor. Órfão de pai aos 7 anos, freqüentou apenas o curso primário. Espírita convicto, torna-se cego de um olho aos 14 anos após acidente, vindo a perder completamente a outra visão aos 16 anos. Ainda jovem iniciou sua colaboração na imprensa vassourense. Foi um dos fundadores do Centro Espírita "Bezerra de Menezes" em Vassouras.

Aos 29 anos, em 04 de dezembro de 1909, casou-se com Carlota Mattoso Cunha, companheira dedicada e carinhosa, que muito o auxiliou nos afazeres literários, passando para o papel as poesias ditadas pelo poeta. Tiveram dois filhos: Dalpes e Delba, nomes dados em referencia à ilha de Elba e aos montes Alpes. O filho desencarnou ainda criança; a filha casou-se, residindo na capital fluminense, tendo desencarnado em junho de 1993.

Espírito jovial, exemplo de resignação e grande força moral, apesar da cegueira e dos parcos estudos, Casimiro Cunha era um poeta nato, tendo produzido mais de 10 livros, dentre eles
" Violetas ", " Efêmeros ", " Aves Implumes ", " Singelos ", " Perispíritos " (1912), além do livro póstumo " Álbum de Delba " (1923). No entanto, não teve maior projeção no cenáculo literário do seu tempo, mau grado a suavidade da sua musa e os inatos talentos literários.

Merece registro a profunda amizade existente entre Casimiro Cunha e Batuíra, que ajudava o amigo vassourense, divulgando suas poesias nas colunas da revista espírita " Verdade e Luz" fundada por Batuíra em 25 de maio de 1890, na capital paulista. A convite de Casimiro, Batuíra esteve algumas vezes em Vassouras para divulgar a doutrina espírita naquela região.

É de Casimiro Cunha a poesia " Vassouras à tardinha " (publicada no livro " Fatos Vassourenses " de Jorge Pinto e no livro " Paisagens Fluminenses " de Jacy Pacheco) e o soneto " No Exílio " do livro " Sonetos Brasileiros " de Laudelino Freire.

Numa casa singela da Rua Caetano Furquin, n o 288 em Vassouras, encontramos uma lembrança de amigos, conterrâneos e admiradores, com os seguintes dizeres: "Aqui nasceu e morreu Casimiro Cunha, mavioso poeta vassourense que muito cantou, amou e honrou sua terra natal".

Forte no infortúnio, que sabia aproveitar no enobrecimento de sua fé, Casimiro Cunha, voltou-se às paragens celestiais e adotou a linguagem dos anjos para se comunicar com os homens. Sua poesia é bela, terna, envolta em névoa de tristeza, uma exaltação à morte, evidenciando, contudo, a resignação do espírito que buscava sublimar todo o sofrimento que lhe ia na alma.

Lembramos aqui as palavras do amigo e companheiro de ideal, poeta e jornalista valenciano, radicado em Vassouras, Manoel Quintão, que soube definir como poucos a grandeza espiritual de Casimiro Cunha, no prefácio do livro " Singelos ", publicado em 1904:

"Livro de um cego que fechou os olhos às misérias da Terra, para melhor escrever as belezas do Céu".

Casimiro Cunha desencarnou aos 34 anos em 7 de novembro de 1914 deixando vasta e preciosa obra literária. Foi sepultado no Cemitério Municipal de Vassouras, imortalizado com o seguinte epitáfio:

"O poeta vassourense Casimiro Cunha e seu filho Dalpes".

Desencarnado, continuou a brindar-nos com seus versos, através da mediunidade abençoada de Chico Xavier com " Cartilha da Natureza ", " Cartas do Evangelho ", " Gotas de Luz ", " Juca Lambisca " e participação em inúmeras antologias.

Hoje, Casimiro Cunha é o inspirador da Divulgação Braille Casimiro Cunha, departamento do GEEM - Grupo Espírita Emmanuel de São Bernardo do Campo, cujo objetivo é a divulgação da Doutrina Espírita para os deficientes visuais.

Bibliografia:

- "Parnaso de Além-túmulo" - 16ª edição - FEB pág.194-210.
- "Batuíra, o Diabo e a Igreja" - © 2003, Madras Editora Ltda - pág 85-90.
- Galeria Vassourense Rudy Mattos da Silva. Vassouras, HTI Editora, 1999 - p48.
- Academia Vassourense de Letras - pág 64-75

Entrevista pessoal e carta recebida pelo Sr. Fernando Matoso Bittencourt, sobrinho de Carlota Cunha. Vassouras, 2005.

Poesias de Casimiro Cunha:

ANOTAÇÕES DE AMIGO

Você pede rumo certo Para o caminho em que avança;
Mas você mesmo é quem guarda Sua própria segurança.

Obrigação, que se abraça, Tem força de compromisso. Em favor de sua paz Não tente esquecer-se disso.

Proteja o corpo em que vive Para as tarefas do bem; O lavrador que produz Preserva a enxada que tem.

Transforme o tempo em serviço, Lembrando, em linhas gerais, Que a vida volta no tempo, Mas o tempo, nunca mais.

Conserve constantemente Verbo limpo e mente sã. O que possa fazer hoje Não deixe para amanhã.

No socorro aos semelhantes, Cooperação é dever; A consciência tranqüila Não tem questões a temer.
Cada aluno está na escola Para a lição, tal qual é. Perante ofensas, perdoe: Perante lutas, mais fé.

Ante amarguras, trabalhe; Se há provações a transpor, Nas sombras que se avolumam, Trabalhe com mais amor.

Olvidar-se e ser mais útil Dissolve qualquer pesar. Para a bênção de servir Nunca se faça esperar.

Estude, eleve, construa E nada fará em vão. Recorde: a luz da verdade Não conhece oposição.



Recomende este autor

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel

Vídeos de Casimiro Cunha vídeos



Textos de Casimiro Cunha textos

Carregar mais textos de Casimiro Cunha


Anotações de Amigo
Anotações de Amigo
Anotações de Amigo


Deixe seu comentário!