por Fabricio Carpinejar
5 Média 32
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




Clarinha, você morreu dormindo, próxima dos seus 80 anos, com a mão de Deus estendida em sua testa, bandana fria e reconfortante. Estava linda, o corpo diáfano e solar, o rosto leonino, ainda procurando não esquecer os brincos prediletos antes de conhecer o paraíso.

Viajou num suspiro, não num gemido. A leucemia lhe levou em uma semana, mas não levou a sua leveza. Você ria mesmo com o tubo de oxigênio, você colocava adesivos na mesinha mesmo depois de uma sessão de quimioterapia, você transformou o quarto em varanda de amigos. Pedia que passasse numa padaria para trazer salgados para as visitas. Sempre preocupada com as visitas, como toda mineira, preocupada em pôr a mesa da gentileza. Cumprimentava os desesperados pelo sobrenome; os mendigos, pelo nome; os anjos, pelo apelido.

Foi se despedindo de um por um: da filha Beatriz que abaixava a cabeça em seu avental para você mergulhar os dedos finos nos cachos dourados, neste colo imaginário que existe entre mãe e filha desde o ventre, ou do ex-marido que fez massagem em seus pés. Não poderia haver maior cena de amor do que um ex se aproximar do leito de um hospital, recusar a solenidade da doença e massagear os pés da mãe de sua filha antes dela morrer, como agradecimento humilde ao tamanho do que viveram juntos.

Você foi inesquecível dentro da sutileza: a pureza enamorada da fé. Jamais quis receber qualquer coisa para ser catequista. Seu coração era uma capela.

Fabricio Carpinejar

Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel






Deixe seu comentário!



loading...