por momento espírita
5 Média 65
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




Na História dos povos ditos civilizados sempre houve o registro de pessoas oportunistas e, em nossos dias, a realidade não é diferente.
Há criaturas que, além de oportunistas, são também inescrupulosas.
Não é raro, em casos de sequestro, por exemplo, pessoas se aproveitando do momento difícil, por que passam os familiares do sequestrado, para tirar vantagens financeiras da desgraça alheia, dando informações falsas sobre o paradeiro da vítima.
Também em casos de desaparecimento de pessoas, quando se publica um telefone para contato, não faltam os oportunistas tentando golpes baixos e inconvenientes.
Pessoas que dizem ter encontrado documentos e outros objetos perdidos e se aproveitam do fato para extorquir dinheiro, como se não fosse obrigação devolver o que não lhe pertence.
Mas, dentre as pessoas sem escrúpulos, umas há que superam os limites da crueldade. Falamos dos oportunistas da desgraça alheia que surgem num dos mais difíceis momentos da criatura humana, que é a da separação pela morte.
É comum observarmos esses especuladores da dor, principalmente quando a pessoa que partiu é famosa. Isso já ocorreu em várias circunstâncias do gênero e, lamentavelmente, continua ocorrendo.
E o fato se repetiu quando houve a desencarnação de um cantor sertanejo, que fazia parte de uma dupla muito querida da população brasileira.
Poucos dias após o seu desenlace não faltaram pessoas para afirmar, diante das câmeras, sem escrúpulo algum, que estão vendo o morto, que falam com ele, e trazem notícias para os familiares.
Infelizmente, esses falsos videntes encontram espaço na mídia para o intento que desejam.
Não se pensa, em momento algum, na dor dos familiares e amigos, que têm que se submeter ao ridículo de tais ocorrências.
Que a pessoa sai do corpo sem deixar a vida, isso é uma realidade. Mas daí a entrar em contato com os vivos, imediatamente após o desenlace vai grande distância.
Os Espíritos superiores esclarecem que a pessoa que deixa o corpo físico necessita de um tempo, mais ou menos longo, para recuperar-se, no mundo dos Espíritos, conforme seja o seu grau evolutivo.
A grande maioria dos seres que parte diariamente para o mundo espiritual, passa por um período de perturbação, como quem desperta de longo sono.
Geralmente, pessoas que desencarnam vítimas de enfermidades dolorosas são recebidas por familiares e amigos no plano invisível e, não raro, continuam sendo medicadas em hospitais especializados.
Assim sendo, a pessoa que morre não tem a lucidez necessária para comunicar-se imediatamente. A menos que seja um Espírito muito desenvolvido, como foi o caso de Jesus, que apareceu quase imediatamente após a Sua morte.
É importante que atentemos para esse aspecto e não nos deixemos enredar por pessoas sem escrúpulos que desejam autopromover-se sem se preocuparem com a dor do próximo.
Quando o ser que partiu estiver em condições de manifestar-se e Deus o permitir, ele virá espontaneamente, pois o telefone chama sempre de lá para cá, e nunca ao inverso.
* * *
Os seres humanos partem, diariamente, aos milhares, para o mundo espiritual.
Assim, não podemos esperar que todos mandem notícias para os que ficaram, pois isso seria impossível.
O bom senso diz que devemos aprender com as várias mensagens ditadas, que constam de livros e mais livros, e não esperar, de forma egoísta, que recebamos uma mensagem particular para depois crer.
Pensemos nisso!

Redação do Momento Espírita.

Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel






Deixe seu comentário!