por Momento Espírita
5 Média 64
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




E eis que o dia chega outra vez. E outra vez nos fala de amor, de esperança.

É o aniversário do Ser mais importante que a Terra já agasalhou. Rei das estrelas, Governador de nosso planeta, Rei solar.

Cristo de Deus, o ungido. Os homens Lhe adivinham a existência, desde tempos recuados. Mais de uma vez, pela Sua grandeza, foi confundido com o próprio Deus.

No entanto, esse Ser especial, nosso Mestre e Senhor, veio habitar entre nós. Quando tantos reclamamos do planeta em que nos encontramos, das condições adversas em que se vive, o Rei solar tomou de um corpo e aqui nasceu.

Nasceu indefeso, entregando-Se aos cuidados de uma jovem mulher. Foi seu primeiro filho.

Quando alguns apontam a inexperiência das mães de primeira viagem, Ele não temeu Se entregar aos cuidados de alguém que não concebera anteriormente.

Nem mesmo temeu por ela ser jovem. Entregou-Se, tanto quanto confiou em um homem a quem, durante os anos da infância e adolescência, honrou e chamou amorosamente pai, a ele Se submetendo.

E permitiu-Se ilustrar na lei hebraica, na História de um povo sofrido, embora soubesse muito mais e além da ciência e da justiça dos homens.

Senhor e Mestre, escolheu uma noite silenciosa, quase fria, para estar entre os Seus irmãos, Suas ovelhas, Seu rebanho.

Pediu ao Grande Pai que, para atestar a Sua chegada, enchesse de estrelas os céus. Tudo porque Ele, a luz do mundo, chegava ao planeta, para estar com os Seus mais demoradamente.

Solicitou ainda ao Pai Celeste que enviasse um mensageiro às gentes simples, ao encontro das quais Ele vinha, para lhes dizer que Ele nascera.

E que os aguardava, pobre e pequenino, numa manjedoura, resguardado pelo amor dos pais, envolto em panos.

E uma estrela de brilho inigualável pairou no céu, chamando a atenção de ilustres estudiosos, que aguardavam o sinal especial para seguir ao encontro do Rei.

Recebeu a visita dos pastores e dos magos do Oriente, a uns e outros ofertando o Seu sorriso, assegurando-lhes que Ele viera. A esperança estava no meio dos homens.

Serviu na carpintaria, nas estradas da Galileia e da Judeia.

Realizou proezas inimagináveis, devolvendo a vista a cegos, a audição a surdos, movimentos a membros paralisados, saúde a corpos enfermos.

No lago de Genesaré, em plena natureza, dedilhou as mais belas canções que o amor pode conceber.

Vinde a mim, vós todos que estais fatigados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo que é suave e o meu fardo, que é leve.

Quem toma da água que ofereço, jamais terá sede. Vinde a mim...

Sua voz era de ensino, de alegria e de esperança.

Quando tantos se rebelavam contra a escravidão a que eram submetidos, Ele ensinou que a liberdade está acima e além de questões materiais.

Ensinou-nos a sermos livres, na consciência, no dever cumprido, na retidão, sem nada que nos detenha na retaguarda das dores.

Mestre e Senhor. Mestre da sensibilidade, do amor e da sabedoria. Senhor da Terra. Nosso Pastor.

Ele veio. Que neste Natal O lembremos outra vez e unamos as nossas vozes às dos Mensageiros Celestiais:

Hosana ao Senhor da vida! Ave, Cristo! Os que desejamos estar contigo, Te recordamos a glória augusta e Te pedimos luz, paz e bênçãos.

Sê conosco, Celeste menino, hoje e sempre.

Redação do Momento Espírita.

Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel






Deixe seu comentário!