5 Média 9
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




Elisabete perdeu o filho Vinícius no acidente da TAM. Ele era piloto da companhia, mas morreu a bordo como passageiro do voo 3054

Em um ano, além da tragédia da TAM, que lhe tirou o filho mais velho, Elisabete também perdeu a mãe. "A vida não nos diz assim: 'Tá, agora chega, parou de sofrer'. Não é apertar um botão. Seis meses depois que meu filho partiu, a minha mãe partiu. Eu era necessariamente obrigada a conseguir lidar com aquilo que estava dentro de mim, que eram muitas perdas. Foi muito, muito difícil",
desabafa.

A psicoterapeuta parou de trabalhar, entrou em depressão e passou meses à base de antidepressivos. "O dia do acidente foi horrível, horrível. Quando eu cheguei do consultório em casa, larguei a bolsa no sofá e vi o rabo do avião na televisão. Naquela hora eu levei uma paulada na cabeça", recorda.

"Eu fiquei sentada num sofá por quase cinco anos".

Hoje Vinícius teria 34 anos de idade. E já teria realizado sonhos, como o de ser piloto, e isso conforta um pouco a mãe. "Ele nunca foi de brincar com carrinho, o brinquedo dele sempre foi avião", frisa.

O espiritismo, segundo ela, também ajudou a cicatrizar a ferida.

A doutrina a fez compreender um pouco melhor a perda.

"Eu sempre fui espírita. Meu filho foi criado na religião espírita, os dois. Isso me ajudou, sim. Mas eu briguei com Deus. Eu culpei ele. Por que ele tinha que levar o meu filho? Por que ele foi tão egoísta assim? Mas depois eu percebi que a egoísta era eu, que queria que o

Vinícius ficasse aqui", explica.

Através de cartas psicografadas, Elisabete diz ter tido notícias do filho. Ela as recebeu de 2007 a 2015. Ela afirma que as mensagens a fortaleceram para seguir adiante.

"Eu busquei ouvir muito o Vinícius. Eu tenho mais de 300 cartas psicografadas dele aqui. Ao longo desses anos todos, ele foi me mandando mensagens e eu fui guardando. E isso me confortou", afirma.

Carta:

"Queridos Elisabete e Carlos, podemos viver muitas e muitas vidas numa só, fazendo com que cada dia seja um recomeço, talvez agindo assim os humanos fossem mais felizes, se cada dia que começasse disséssemos: Minha vida esta começando agora e vai terminar no final do dia, viver-se-ia uma vida por vez e seria intensamente, mas não, quando estamos no corpo físico nos preocupamos com o amanhã, o maldito amanhã, e depois da amanhã, e na semana que vem, e no mês que vem, e o próximo ano, nosso pai criador, faz com que o sol nasça todos os dias e todos os dias se ponha, para que possamos viver todos os dias da eternidade, mas um dia por vez, somos eternos? Ah somos eternos, então não morremos e vamos viver sempre, mas quando perdemos o corpo, saímos fora do alcance dos sentidos do corpo, só do corpo, nosso sentimentos continuam, nossas relações continuam, nosso relacionamento continua, tudo continua, tudo como era antes, menos nossas percepções corporais, mas todas as percepções sentimentais e espirituais... então porque não voltou antes, principalmente os de menos idade? Eu respondo... E para os que ficam descubram a resposta dessa pergunta, não só descobrirem com a razão mas com o coração, nesta busca irão desvendar os mistérios da eternidade, nada é para sempre, muito menos a separação, inclusive neste caso, no nosso caso, não há separação, mãe um grande beijo, Carlos, um grande abraço bem apertado.

Vinícios


Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel





Deixe seu comentário!