por Irene S. Pinto
5 Média 30
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




Essa mendiga que passa
Vestida de trapo ao vento
De rosto cansado e atento
Aos óbolos que lhe dão
Quem sabe por que te busca
Na dorida caminhada
Para deter-se humilhada
Pedindo socorro e pão?

Não digas: “mulher da rua”
Nem penses “mulher sem jeito”
Guarda silêncio e respeito
Se nada tens para dar
Que essa pobre, onde aparece
Tem a tristeza por guia
Por refúgio, a noite fria
E, às vezes, o chão por lar.

Ao recebê-la, medita
Em tua mãe viva ou morta
Jamais lhe cerres a porta
Nem lhe indagues de onde vêm
Dá-lhe um momento de apoio
À marcha triste e insegura
Em meio da desventura
Talvez seja mãe também.

Recorda a infância risonha
Em tua casa florida
As horas plenas da vida
A mesa farta ao dispor
As doces lições da escola
Entre o recreio e a merenda
A bola, a peteca, a prenda
Nos brincos de puro amor!

Lembra a ternura materna
Como estrela, em toda parte
Teu pai chegando a beijar-te
Aos meigos abraços teus
Durante o dia, os folguedos
Que a segurança entretece
De noite, a benção da prece
E o sono pensando em Deus.

Reconsidera contigo
Que essa mulher, entretanto
Nasceu num berço de pranto
E de pranto vive assim
Cresceu, rogando na rua
O pranto da vida amarga
Sem que lhe visses a carga
De mágoas quase sem fim.

Acolhe-a com caridade
Restaura-lhe a força e dize
A frase que amenize
O peso da própria cruz
Deus te manda essa mendiga
A fim de saber, ao certo
Se estás mais longe ou mais perto
Da redenção com Jesus.

Irene S. Pinto

Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel





Deixe seu comentário!



loading...