4 Média 19
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




Galdino Alves Bezerra Neto, filho da técnica em enfermagem aposentada Maria Lopes Farias, 75, de Fortaleza, estava desaparecido havia mais de cinco anos. Na época do sumiço, avisara à mãe que iria para uma vaquejada em Canindé (115 km da capital cearense), e nunca mais voltou. Tinha 47 anos na época.

Seus restos mortais, porém, foram enfim localizados em uma lagoa na região metropolitana de Fortaleza, e o exame de DNA confirmou sua identidade. Tudo graças a uma carta psicografada.

Segundo a mãe, Gaudino tinha o costume de passar longos períodos longe de casa, sem dar notícias. Após entrar no quarto mês sem contato, porém, a aposentada se desesperou. "Eu mandei imprimir mais de 200 fotos grandes dele, com endereço e telefone", diz. E assim foi por cerca de dois anos, até ela se convencer da morte do filho.

Nesse meio tempo, ela passou a frequentar um centro espírita. Na segunda visita, o médium Nilton Sousa psicografou uma carta do sogro da aposentada. Foi o avô do rapaz, narra a mãe, que deu a indicação de um local que o médium afirmava desconhecer: Lagoa do Juvenal.

Ocorre que a tal lagoa existe. Fica a 35 km de Maranguape, na região metropolitana de Fortaleza. No começo de 2013, de fato policiais já haviam localizado os restos mortais de um homem acidentalmente, depois de um incêndio em uma mata ao lado revelar parte de uma ossada humana.

Segundo o inspetor Wellington Pereira, que atua na Delegacia Metropolitana de Maranguape, na ocasião tentou-se identificar os restos mortais, mas, em virtude do estado de decomposição, o trabalho não avançou e o caso foi arquivado. A ossada foi enterrada no cemitério municipal como pessoa não identificada.

REVIRAVOLTA

No começo de 2014, após as sessões espíritas, Maria foi à delegacia questionando sobre a ossada, que poderia ser do filho dela. Na época ela não mencionou a carta psicografada à polícia. No decorrer daquele ano, ocorreu a exumação dos restos mortais e, em outubro, o resultado do exame de DNA confirmou tratar-se de Gaudino.

O caso veio a público somente no começo deste mês, quando ela comentou com a polícia sobre a carta psicografada.

O policial ficou surpreso ao saber da carta. "É um caso que realmente chama atenção". O próprio médium diz que ficou nervoso com conteúdo do documento psicografado. "Eu fiquei preocupado. Como médium, eu posso errar", diz. O resultado do exame de DNA foi o que acalmou Nilton, diz.

A Polícia Civil, agora com a identificação da ossada, reabriu o caso. Pelo estado avançado de decomposição, porém, policiais ainda não identificaram a possível causa da morte.

O inspetor Wellington Pereira, que em 2013 participou da localização da ossada e acompanha o caso, diz não ver participação nem do médium nem da aposentada na morte. A reportagem não conseguiu falar com o delegado responsável pelo caso.

Procurada, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará não se manifestou sobre a possível ajuda pela carta psicografada e afirmou não ser possível apontar suspeitos até o momento.

Em nota, a Polícia Civil do Ceará confirmou que a vítima teve parte de sua ossada encontrada em 2013 e identificada por meio de exame de DNA. "O laudo cadavérico afirma que não foi possível identificar a causa da morte, levando em consideração o tempo que havia transcorrido do óbito até a data do exame".

A nota confirma que a mãe esteve na delegacia para pedir exame de DNA na ossada encontrada na Lagoa do Juvenal. "Com a conclusão do teste e o resultado positivo, a Polícia Civil passou a ter novos elementos que contribuíram para o aprofundamento das investigações.".

'ESTOU EM PAZ'

Depois de cinco anos de aflição, a sensação de Maria é de alívio. "Aconteceu o que aconteceu, tudo bem. Mas eu sei que meu filho está bem melhor do que eu. Estou em paz".

Agora, a aposentada planeja recuperar os restos mortais de seu filho e cremá-los. "A gente vai fazer uma caravana e soltar as cinzas em Canindé. Ele não gostava de aventura? Então, eu vou deixá-lo solto".

Fonte: Folha de São Paulo

Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel





Deixe seu comentário!