por Morel Felipe Wilkon
5 Média 28
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




Essa semana chamou a atenção o desaparecimento do Bruno Borges.

O Bruno é descrito pela família como um jovem com inteligência acima da média. No quarto dele foi encontrada uma estátua do Giordano Bruno, que foi condenado à morte pela Inquisição. O escultor da estátua acredita que Bruno seja a reencarnação de Giordano Bruno e que tenha completado a sua obra. Além da estátua, também forma encontrados 14 livros escritos à mão. Também há inscrições meticulosas no chão, nas paredes e no teto do quarto.

Não sabemos o que aconteceu com o Bruno, mas não acho que isso seja motivo de preocupação.

O fato inegável é que o Bruno quer nos passar uma mensagem. Ele chegou a algumas conclusões a respeito da vida e sente-se no dever de passar isso adiante.

***

Joseph Campbell foi um estudioso de mitologia e religião comparada.

Ao longo da sua vida de pesquisa ele encontrou alguns pontos em comum em todas as narrativas mitológicas.

Para você ter uma ideia, a saga Guerra nas Estrelas é toda ela inspirada na obra de Campbell.

Os mitos, os avatares das grandes religiões (incluindo Jesus), e, mais recentemente, os protagonistas de filmes, livros, seriados, todos eles repetem uma série de fases que Campbell chamou de “a jornada do herói”.

A jornada do herói possui 12 estágios principais:

1 – o mundo comum em que o herói vive antes da história começar;

2 – o chamado para a aventura, na forma de um problema ou desafio que se apresenta ao herói;

3 – a demora ou recusa do herói em atender ao chamado, quase sempre porque ele tem medo do desafio;

4 – o encontro do herói com o mentor ou alguma forma de ajuda sobrenatural, em que ele é informado sobre a sua aventura (desafio) e recebe treinamento para essa aventura;

5 – o cruzamento do primeiro portal, em que o herói abandona o mundo comum para entrar no mundo especial ou mundo mágico da sua aventura;

6 – as provações que o herói tem que enfrentar, os aliados e os inimigos que aparecem e o ajudam a aprender as regras do mundo mágico em que ele entrou;

7 – a aproximação do objetivo, uma fase em que o herói tem sucesso durante as provações;

8 – a provação mais difícil ou mesmo traumática, que é a maior crise da aventura, é o momento de vida ou morte da aventura;

9 – a recompensa: a fase em que o herói enfrentou a morte, venceu o seu medo e então ganha a sua recompensa;

(A recompensa, no casa do Bruno, é a divulgação do seu trabalho – o seu trabalho está sendo divulgado pela mídia; nesse primeiro momento, as pessoas sabem que ele se dedicava a um trabalho, apenas isso.)

10 – o caminho de volta: a fase em que o herói deve voltar para o mundo comum;

(Isso é o que se espera; é o que a família do Bruno espera, que ele reassuma a sua posição inicial de pessoa comum. A família do Bruno não está interessada, nesse momento, na sua aventura de herói. Eles estão interessados no filho, no irmão, no membro familiar. Mas para que isso ocorra o Bruno terá que abrir mão, temporariamente, do seu papel de herói.)

11 – a ressurreição do herói, que é um novo teste em que o herói deve enfrentar a morte, e deve usar tudo que aprendeu;

12 – o regresso do herói com a recompensa: nessa fase o herói volta para casa com a recompensa e usa essa recompensa para ajudar as pessoas no mundo comum.

Todas essas fases são repetidas por todas as pessoas que descobrem algo novo, descobrem um sentido maior para a vida e sentem a necessidade íntima de repartir a sua descoberta com as outras pessoas.

Nesse momento se faz muitas especulações sobre o que o Bruno escreveu. Muitas pessoas debocham, ironizam, mas as pessoas sérias se questionam sobre o que ele pode ter descoberto e anotado.

Ele leu a Bíblia, leu livros espíritas, e pelo jeito lia muito – falam em mais de mil livros.

Eu não quero desfazer do trabalho dele, que eu nem conheço; não quero ser desmancha prazeres; mas ele não deve ter descoberto nada que nós já não saibamos.

Talvez tenha encontrado uma maneira muito prática e racional de explicar aquilo que ele considera como verdade; talvez ofereça um novo ângulo de visão para segredos que já não são segredos…

A verdade da vida é tão clara para quem percebe ela! E ao mesmo tempo tão difícil de ser vivenciada!

– Você quer verdades mais claras que os ensinos de Jesus no Sermão da Montanha?

E, no entanto, nós estamos há dois milênios discutindo eles sem conseguir praticá-los efetivamente…

O mundo tem que melhorar muito. E está melhorando, a passos lentos.

Cada vez mais pessoas descobrem antigas verdades e cada vez mais pessoas se interessam em aprender sobre essas verdades.

Que o Bruno continue a sua jornada do herói. Ele já deu 9 passos. O próximo passo é o caminho de volta…

Autor: Morel Felipe Wilkon
Fonte: http://www.espiritoimortal.com.br/bruno-borges-o-jovem-desaparecido-mo-acre-um-olhar-espirita/

Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel






Deixe seu comentário!