por Momento Espírita
5 Média 35
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




Contam as lendas que, quando foi concluída a Criação, as estrelas vieram visitar a Terra.

A estrela amarela, simbolizando as riquezas, visitou todos os recantos e voltou ao veludo escuro da noite, tomando seu lugar no firmamento.

A estrela azul, simbolizando os rios e os mares, igualmente deu um giro em todas as profundezas e retornou.

As demais estrelas, simbolizando o restante da natureza, fizeram o mesmo, e todas se engastaram nos lugares definitivos onde deveriam permanecer para sempre.

Todas voltaram, menos uma, por discreta determinação do Rei do firmamento.

E, quando perceberam a sua ausência, os demais astros buscaram-na aflitos, de longe. Então perceberam, entre os sofredores e necessitados do mundo, a sua luz faiscando em tom verde.

Por isso, é que a esperança nunca abandona a vida.

Através de uma lenda, os poetas encontraram uma maneira de falar da esperança.

Quando a noite escura do desalento invadir a nossa vida, lembremos da suave luz da esperança que não nos deixa a sós e recobremos o passo, no compasso da harmonia.

Quando sentirmos os ferimentos da cruz de espinhos a vergastar nossos ombros, permitamos que o brilho inapagável da esperança nos console.

Se o véu escuro da morte se estender sobre os olhos físicos dos seres amados, lembremos que a Imortalidade, mensageira da esperança, vem lhes descortinar horizontes novos, no além-túmulo.

Ainda que os dias de sofrimento pareçam não ter fim...

Ainda que a enfermidade anuncie que veio para ficar...

Ainda que os amigos abandonem os nossos passos, deixando-nos caminhar a sós...

Ainda que tenhamos a impressão de que o Pai Divino nos esqueceu, lembremos da sublime lâmpada da esperança e permitamos que ela ilumine a nossa alma, plenificando-a com suave claridade, anunciando um novo alvorecer.

Lembremos que, por mais escura e longa seja a noite, o sol sempre volta a brilhar e, com ele, novas oportunidades de construirmos a nossa felicidade.

Para tanto, devemos permitir que a esperança siga conosco, como portadora da chave que abre a aurora e vence o crepúsculo.

* * *

A esperança se apresenta em nossas vidas de várias maneiras.

Pode estar presente num sorriso...

Num olhar de ternura...

Num aperto de mão...

Num afago...

Podemos encontrá-la ainda, na suave brisa da manhã de sol...

Na serenidade das gotas de chuva, caindo devagar...

Ou no cinza escuro da paisagem crestada pela neve, a anunciar que, em breves dias, tudo estará reverdecido novamente, sob os diversos matizes de cores e perfumes, mostrando que a esperança está presente, e jamais nos abandona.

Redação do Momento Espírita

Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel






Deixe seu comentário!