por
5 Média 32
O que você achou desta mensagem?
@
@
Para enviar esta mensagem para mais de um(a) amigo(a), separe os endereços de e-mail por virgula. Você também pode adicionar uma mensagem




Chico estava psicografando "Nosso Lar" . Numa das raras pausas que se permitia, saiu para fazer a barba. O barbeiro era dos antigos. Metódico, colocou-lhe a toalhinha sobre o queixo, ensaboou-lhe o rosto. Essa rotina ordeira foi interrompida na primeira raspada.
-Chico, estou sentindo muita tonteira. Parece que vou desmaiar.
Posto em descanso no relativo conforto da cadeira, Chico inquietou-se, abriu os olhos e viu um espírito trevoso que enleava o barbeiro, dizendo-lhe aos ouvidos:
- Corta a garganta dele...corta.
Com o fio da navalha no pescoço do Chico, o pobre homem não via e nem ouvia o espírito, mas sofria-lhe as influências. Daí, aquelas sensações estranhas, o afrouxamento dos controles. Voltou a dizer:
- Chico, não sei se vou dar conta de terminar a sua barba.
- Não se preocupe, meu irmão. Barba, é assim mesmo, a gente faz quando dá certo. Se não der hoje, a gente faz amanhã.
Naquele momento, conta o Chico depois de uma pausa na conversa, tudo o que eu queria era que ele tirasse a navalha do meu pescoço.
Concluindo, explicou que eram as trevas querendo impedir que "Nosso Lar" fosse concluído e viesse à luz espargir luz.
Ao relembrar e escrever este caso, reflito que Nosso lar é o livro mais lido de toda a literatura mediúnica recebida por Chico Xavier. Um verdadeiro best seller, com milhões de exemplares vendidos.

Livro: Momentos com Chico Xavier
Autor: Adelino da Silveira

Outro Relato da Mesma Passagem

(…) Certa feita, Chico estava fazendo sua barba numa barbearia. No transcurso do fato, ele percebeu que o “barbeiro” – antigamente esse era o nome da profissão – estava com uma expressão muito esquisita. Apresentava a face avermelhada, leves contorções e até mesmo espasmos. Chico visualizou, então, uma entidade sombria envolvendo o barbeiro no intuito de que ele lhe cortasse sua veia aorta com a navalha.

Chico ficou perplexo. Ele não sabia se levantava da cadeira abruptamente, se ficava quieto ou se orava.(…) Chico orou com tanto fervor – pois temia estar próximo da desencarnação – que, passados alguns minutos, adentrou na barbearia uma entidade muito alta, com uma voz forte e com sotaque dos companheiros do sul do país. Esta entidade dirigiu-se ao obsessor de navalha e fez-se viril. ”Uê,Che! O que fazes aqui? Perdendo tempo com esses homens de saia?” – referia-se aos trajes do barbeiro , e à alma cândida de Chico – “Vamos embora já daqui, pois muitas raparigas nos esperam”. Quando os espíritos se afastaram do ambiente, após alguns minutos, o barbeiro, voltando a si do pequeno transe, desculpou-se com o Chico, afirmando que tivera um mal súbito, além de ter “se sentido possuído por uma força descomunal, que ansiava rasgar-lhe a pobre garganta”

“Coitado do barbeiro!”, disse o Chico.

Emmanuel se fez presente e lhe confabulou sobre as preces ouvidas e prontamente atendidas por um espírito que, se ainda não se engajara totalmente no bem, apesar de seus hábitos ainda comprometidos, acabou sendo um instrumento para livrar a garganta de Chico de uma navalha escorregadia.

Recomende esta mensagem

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação."

Chico Xavier & Emmanuel






Deixe seu comentário!